terça-feira, 27 de julho de 2010

+ Return to the past ( I )



Essa narrativa mexerá com uma coisa delicada: a criação de uma personagem que está tão viva quanto você. Quando nasceu, o pai ficou extremamente feliz, como era de se esperar, atitude essa sempre tão comum em todas as paternidades. É claro, que o primeiro filho devria ser menino, mas ele parecia pouco se importar. Achava realmente que o acontecimento fosse uma efeméride, e isso o fazia um pai. A gravidez não foi planejada. Na verdade, ele pouco costumava ter a mania de "planejar", nem sabia o que significava. Mas perco o foco da história, se não seguir adiante. Falava do nascimento dela, a ilustre, a moça a qual eu quero descrever. Proponho que nada que escreverei será complexo, porém só se consegue simplicidade através de muito trabalho. Mas usarei as palavras que te sustentam, aquelas que vocês, leitores, gostariam de escutar. Tudo começa assim: uma molécula disse sim a outra, e nasceu o mundo. Tudo na vida começa com um sim.
Quando tinha seis anos, seu pai lhe disse: "você poderia ser famosa". E desde então ela levou como verdade absoluta. Não se importava com o presente, havia pensado no futuro. O futuro era previsível, enquanto o presente lhe era distante. Fazia planos, vivia nele, queria te-lo contigo. O presente lhe era instavel. O futuro lhe garantia sucesso.
Nunca se importou com o bulling que sofria nas escolas por não se adaptar as outras garotas. Ela era diferente, e não se importava em ser, gostava. Por mais que tentasse, não havia aquela vontade absoluta de se adaptar a um estilo que não era dela. Ela era influenciada por aquilo que queria, o que lhe soava estranho. Por isto, diante das dificuldades escolares ela sempre pensava: "Um dia eles vão trabalhar para mim", e tudo se encaixava perfeitamente.
Andava pelas ruas daquele suburbio esquecido, com o tênis que parecia estar sempre desamarrado, e ninguém lhe avisara sobre tal. Nunca tinha visto ninguém cair por causa de um cadarço e , por isto, não se importava em amarrar. Gostava de escutar o barulho do sapato no asfalto incessante até que o solado se desgastasse, e assim sentia-se bem. Achava o barulho gostoso, o barulho que só era sentido pela sua audição quando estavam todos em silencio. E ela adorava se sentir sozinha, adorava não escutar, ela gostava de ver. Ver... atitudes mostram mais do que palavras não é? Pensava ela. Então ela imaginava que as palavras são escutadas, e as atitudes vistas. Simpatizou mais pela visão, e nada a atraía, de palavras só gostava das escritas.
 Sonhava todos os dias de que amanhã encontraria uma pessoa que não gritasse com ela, não achasse estranho seu modo de lidar, uma pessoa que não a julgasse. E sonhava que isso fosse logo, no presente. Sonhava com o presente, e vivia no futuro, o passado era distante. Nada havia acontecido. Ela não se importava em esperar, esperar para viver. Não pensava em nada: sonhava com o dia que viveria. Viveria e só. Por enquanto só sobrevivera.

( to be continued )

14 comentários:

  1. Ooi *-* gostei muito mesmo do seu blog! se quiser, passa la no meu! :D amandinhaluuz.blogspot.com
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  2. Agora fiquei curiosa,acompanhando amada rs.
    Me avisa ok.
    Beijos milllllllllllllllll

    ResponderExcluir
  3. oi! ahn... já mandei 2 e-mails, acredito que você tenha recebido heh. tipo, se não quiser o layout, de boa - eu devia ter avisado antes que as encomendas deveriam ser feitas se o layout fosse ser usado - mas avisa pra eu poder usar ele pra outra coisa, ok?
    beijinhos!

    ResponderExcluir
  4. Ah, quanto tempo né? Desculpe a minha ausência, mas é ano de vestibular e eu estou estudando muito.

    O texto é perfeito, e espero a continuação, vc é tão precisa com as palavras...
    adoro o seu blog, o que vc escreve.
    Te espero no meu blog, beejos :*

    ResponderExcluir
  5. eu gosto do seu texto, gosto das palavras que você escolhe, são simples que deixam seu texto complexo (bem o contrário do que vc inicialmente queria nesse texto kkkk), deixam ele num tom sério e profundo, eu viajo em textos assim *.*

    quero ler a continuação logooo viu :D
    beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Vim aqui lhe desejar uma ótima semana!
    =D

    ResponderExcluir
  7. Continua! continua! continua!
    Luv ya! :*

    ResponderExcluir
  8. é, ser uma best seller não é pra qualquer um..
    E procura-se esse caminho...
    não há quem viva querendo ser um simples carpinteiro... a menos que issso seja um de seus hobbys para quando estiver poder de *famosidade*(para não tocar no assunto, dinheiro)

    beijos

    ResponderExcluir
  9. Que bom vir aqui e verificar que você tem escrito coisas belas. Parabéns! Escreva sempre!

    ResponderExcluir
  10. Quem sabe viver só, tem grande sabedoria, é rica de alma e rica de malicia, quem sabe viver sozinha é dona de uma maestria maior que a sapucai é cheia de gingado e sabe aonde ir...
    Afinal, esse é o truque, conviva com você mesmo e não saberás o que é solidão

    ResponderExcluir
  11. Beijos minha linda e obrigado pelo carinho da visita.
    Vc me achou misteriosa?
    Ñ sou ñ amada,sou comum e se adoto o silêncio em algumas ocasiões é pq ñ suporto mais oferecer sentimentos a quem ñ consegue compreender,vc entendeu?
    Beijos minha flor.
    Acompanhando.

    ResponderExcluir
  12. Acho que a menina esta certa: — Viver! — Viver é fundamental, precisamos valorizar cada minuto que o tempo nos corrói. Pensar que cada momento é o melhor, pois o relógio continua com o seu vai-e-vem.
    Muito bela a sua literatura! Escreva sempre.
    Obrigado pela sua companhia através dos blogs!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir

Não gaste teclado: SE NÃO LEU, NÃO COMENTE. Também não tente me enganar: Eu percebo quando a pessoa não leu nada. (Aliás, tem gente que não lê nem isso aqui).