quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Antes a cordeira, agora a loba



Sabe, nessa historia de pensar em passado, e em pessoas que duvidam/criticam você, eu percebi quantas pessoas eu passei "para trás" e o quanto eu evolui. Fiquei lembrando aqui comigo, de todas as zombações, da escola pública na 8° série, das pessoas que me apontavam o dedo e me condenavam pelo meu jeito. Uma vez ouvi comentários do tipo "aquela menina é super estranha" só por eu ter pintado as unhas de amarelo. Hoje em dia, isso é a maior moda do mundo, e as pessoas que me julgavam também usam.
Esse é mais um exemplo idiota, que no final tem um enorme significado: as pessoas sempre me criticavam por eu ser diferente, e nunca perceberam o quanto elas eram iguais. Sempre foram, sempre vão ser: seguindo tendencias de como se vestir, se comportar, etc.
Eu era alvo de piadas por praticamente tudo que fazia. As vezes, eu me sentia culpada pelas zombações. Achava que elas aconteciam porque eu era culpada, porque não queria ser como os outros, porque eu não era "tão moderna e popular quanto eles". Hoje em dia, fico triste em saber da situação da maior parte dessas pessoas: ainda estão na escola, já tem filhos, não trabalham, trabalham em lojas pequenas, etc. Vejo posts em blogs de meninas super novas, incentivando "como ser popular", como se fosse um manual para que as pessoas gostem de você. Fico triste, porque sei a verdade: essas pessoas não vão te dar a minima quando você mostrar quem você é. Você só vai adquirir falsidades.
Acho que a cordeira virou loba, no final. Mas uma loba preguiçosa, sem caçar ninguém. Que sabe agora quem são as pessoas boas o suficiente para ela, sabe se esquivar da inveja e agora pode olhar pra todos de cabeça em pé porque afinal, evoluiu. Porque afinal, apesar das dificuldades, está melhor que muita gente por ai.
Uma loba que sabe se defender, isso é que eu sou. E não pense vocês que eu estou "me achando". Só quem tinha tudo pra dar errado e deu certo sabe o que é essa sensação. De ver as pessoas que você julgava ser melhores que você e descobrir que não eram tão boas assim. Foi pensando nisso que eu fiz esse post: a todas as pessoas que eu ainda terei que passar. A todas as garotas diferentes que sofrem bullying. A todas as meninas que sonham com a "popularidade falsa". A todos que recusaram usar drogas e beber pra se sentir "legal". As pessoas ainda estão muito longe de entender que existe gente diferente. Os homossexuais que vão demorar muito tempo pra conseguirem andar na rua sem medo de apanhar de um machista idiota  (quem falar que isso não existe eu dou um murrão). Negros foram escravizados. 60 MILHÕES de pessoas morreram na Alemanha nas mãos dos nazistas simplesmente porque tinham uma religião diferente das outras. Milhares de mulheres são discriminadas por usarem uma burca... já parou pra pensar que talvez elas acreditem naquela religião que as faz usar? As pessoas SEMPRE terão dificuldade de lidar com o diferente. É por isso que que eu sou corajosa ao admitir que sim, SOU diferente. E viva as(os) Lobas(os).

32 comentários:

  1. Saber se defender,
    e não ligar para o que os outros vão dizer,
    deveria ser regra.

    ResponderExcluir
  2. È isso ai *-*

    Você já conheci a http://www.cherryacessorioseafins.com.br ?

    :*

    ResponderExcluir
  3. No meu tempo de ensino fundamental, eu era estranha apenas porque usava all star kkkk Imagina só. Hoje em dia toda menininha pré-adolescente se acha super moderna apenas por usar all star. O estilo individual acabou virando moda e aí pouca gente consegue realmente ter seu próprio estilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tocou num ponto interessante. É difícil ter estilo, porque todo mundo usa o que está na moda, gostando ou não.

      Excluir
  4. VIVA!!! é muito bom ser diferente!!! Sabe Srt. não tenho muito do que me queixar, eu nunca fui popularzinha, mas engraçado como me dava bem (no geral)com todos os grupos da escola, mesmo não "pertecendo" a nenhum. Quando entrei para a facul tinha 18 anos, nunca gostei de beber, e a galera sempre respeitou isso, nunca fui "julgada" por não beber, a galera até me chamava pra ir para o bar mesmo sabendo que eu ia tomar coca-cola!
    É triste vc se sentir rotulada, mas existem pessoas que precisam disso para ser alguma coisa, como essas meninas que você disse que dão dicas para ser popular...é péssimo!
    Para quem não precisa é sempre mais sofrido, pos as outras precisam te rotular e te minimizar para parecer melhor... Nofim acontece o que vc disse, as pessoas que te julgam hj, agem como vc amanhã... Sei lá! Pra variar estou escrevendo dmais e acabo me perdendo nos meus pensamentos!hauauaha

    Bjo Enorme!
    Ju

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sempre leio seus textos enormes com a maior felicidade do mundo Ju, e ainda fico querendo mais. Escreva sempre!

      Excluir
  5. É preciso cultivar a tolerância. É difícil mesmo entender as pessoas. Somos feitos de sentimentos, somos sensíveis, somos cruéis, somos humanos. Corremos todos atrás das mesmas coisas: amor, felicidade e paz. Só não precisamos derrumar ninguém pelo caminho, não é mesmo? Podemos todos caminhar juntos. Um beijo no coração!

    ResponderExcluir
  6. Saber sentir -se bem como somos é fundamental, sem dar bola ao que os outros esperam! beijos,chica

    ResponderExcluir
  7. Oi! DEIXEI UMA TAG LÁ NO MEU BLOG PRA VOCÊ! CORRE LÁ PRA VER

    --> www.mimoseblablabla.blogspot.com <--

    ResponderExcluir
  8. Tudo o que nos acontece é para nos fortalecer! No momento às vezes podemos pensar: poxa porqe passo por isso? Mas com problemas e afins, evoluimos e ficamos mais fortes. Sobre meu post, escrevi com a intenção de musica mesmo.. quem sabe não posto dia desses cantando? haha.. beijus!! estou seguindo o blog :)

    ResponderExcluir
  9. Isso mesmo, sabe eu liava demais pro que os outros achavam eles sempre tentavam me diminuir e depois eu percebi que para parar aquilo eu que devia começar a me impor mais, sempre riram por causa do jeito que eu falava (eu falo muito rápido com o que faz que ninguém entenda). acho que para sermos aceitos devemos nos aceitar sem medo.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Adorei o post, de verdade. Eu me sinto exatamente assim. Quando era mais nova, meu "sonho" era ser popular, cercada de gente. Porque em todos os lugares, as pessoas populares se davam bem: nos filmes, seriados etc. Mas um dia eu comecei a refletir e vi que a maioria das pessoas que eram populares, não tinha nada de interessante. Eram pessoas que só sabiam falar dos mesmos assuntos, das mesmas futilidades. Hoje eu fico feliz por saber que sou diferente, que tenho ao meu lado poucos, mas verdadeiros amigos e que não tenho necessidade de ser vista nem adorada por todos. Acho que quando uma pessoa tem essa percepção, ela se liberta de muitos sentimentos ruins.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Sei bem o que é ser diferente e sei também quando é duro ter que caber num mundo em que você simplesmente não se encaixa. E concordo com você, conforme a gente vai crescendo, vai percebendo que é melhor ser assim, meio louquinha, do que igual a todo mundo, tentando viver uma vida que não te acrescenta nada, com pessoas que não te entendem. :D

    Passando para desejar um ótimo dia!
    Liz<3
    The Red Lil' Shoes Blog
    http://theredlilshoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Porque o bom mesmo é ser diferente. Pois consequentemente fazemos diferente, também. Não quero ser mais um alienado vivendo os padrões da sociedade. Quero ser feliz fazendo o que gosto ao lado de pessoas que me entendem, que amo e que também querem a minha felicidade. É só a gente não se deixar levar pelos comentários alheios...

    Amei o texto!

    Um abraço!
    http://universoliterario.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. hoje em dia tudo incomoda as pessoas, cabelos, roupas, tenis, e etc
    é dificil ser a gente sem incomodar ninguém
    o pior as pessoas querem que a gente aja, pense, fale e etc igual a elas mas quando somos o contrário a sociedade se choca
    hoje em dia ter estilo próprio está fora de moda

    ResponderExcluir
  14. Adorei tanto,tanto.
    E bem,me identifiquei sabe.
    É tudo o que penso.
    :~
    Beijo

    ResponderExcluir
  15. Muito verdade! As pessoas estão tão preocupadas em julgar e rotular os outros que não veem as suas próprias diferenças. Escola é o lugar onde isso mais acontece, porque sempre tem aquele que quer ser melhor que todos os outros. Mas a gente cresce e vê o quanto a gente é único e especial do jeito que a gente é. E isso é o que importa.
    Beijinhos

    Hipérboles
    @hiperbolismos

    ResponderExcluir
  16. Muito bom o post. O mundo gira e bota tudo no lugar, sempre, e na maioria das vezes as pessoas que nos julgaram acabam fazendo as mesmas coisas. Esse lance das unhas amarelas é muito verdade, outra coisa assim são as pulseiras spikes. Quando eu usava, a uns 5 ou 6 anos atras era coisa de "maconheiro", hoje é modinha e as mesmas pessoas que criticavam, usam :S
    boa semana :D
    ;*

    dudsparrow.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  17. Adorei esse seu texto e pura realidade, a gente não tem que ter medo de ser quem somos não, antigamente eu era a estranha do colégio, as pessoas só falavam comigo porque eu era inteligente ai quando queria algo lembrava de mim, muitas pessoas me zoavam já cheguei em casa chorando várias vezes e querendo não voltar mas pra escola e hoje em dia essas mesmas pessoas estão levando uma vida tão mediocre sabe, muitos não terminaram, outras estão gravidas, outras já tem até filhos e eu estou aqui cursando uma faculdade e quem riu de mim ontem, hoje não pode rir mas, como se diz um ditado a vida da voltas né, a gente planta o que colhemos.
    Beijinhos
    Facebook do blog
    conversando-com-a-lua.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  18. Sinceramente, acho que estas pessoas populares, que a vida inteira foram abençoadas com a aceitação pública, não entendem certos ensinamentos indispensáveis para crescer intelectual e emocionalmente. Como você, me sentia sozinha e era julgada por uma "amiga" por usas roupas diferentes, fazer comentários aleatórios e ser um tanto quanto alienada. Hoje percebo o quanto essas características me tornam única, especial e me ajudam na execução de uma das minhas maiores paixões: escrever. Às vezes me pergunto se toda minha vida tivesse sido um mar de rosas eu ainda teria essas minhas características preciosas, e valorizaria e respeitaria os sentimentos alheios como faço hoje em dia. A resposta? Acho que não.

    Beijos =*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma coisa que eu adoro: fazer de todas essas características "estranhas" o meu charme. Tem pessoas que gostam de mim com tudo isso. Adorei o comentário.

      Excluir
  19. Ei, viva as lobas!
    Eu também sei o que é ter dificuldades por não ser tão igual, mas sabe? Eu tornei a diferença minha força. Ninguém me enche mais o saco, até porque minha língua afiada não fere ninguém que não mereça! rsrs

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Texto incrível! Realmente gostei muito. Ver esses "manuais de como ser popular" por ai também me corta do coração... fico triste em ver como as pessoas se importam com tantas besteiras e deixam o essencial de lado. Também sofri bullying por ser diferente, no ensino médio todos me chamavam de "Anna Estranha", e o que eu fazia? Sorria. Pois prefiro um milhão de vezes ser estranha do que ser normal. E se eles percebem que sou estranha, que bom então, atingi meu objetivo :)

    www.annadecassia.com

    ResponderExcluir
  21. eu acho bizarro olhar pro povo que estudava comigo e ver que tem gente casada, com filhos, até gente morta em acidente de carro. mas no fim, são poucos os que sobressaem, e são os mais diferentes.

    ResponderExcluir
  22. Caramba..tinha um tempo que não vinha aqui e amei o texto. Não sofri no colégio.Porque eu era popular? Não nunca fui.Por que não me enchiam? Me encheram algumas vezes.Não sofri pq não permiti, me aceitava.Meu irmão sofreu e muito, tenho ódio, pois não estava lá para arrebentar quem fez isso com ele, violência não resolve nada, mas amenizaria a minha raiva te terem tornado meu irmão depressivo por um tempo.Porem,como vc disse, hoje essas pessoas que zoaram ele não são nada e ele esta nas forças armadas.Que bom que refletiu sobre o que passou e chegou a uma conclusão positiva.Bjs!

    ResponderExcluir
  23. Bom, eu nunca fui do grupinho popular, mas também nunca fui do grupinho dos excluídos, apenas tinha um grupo, embora pequeno, de amigas, mas amigas verdadeiras e não apenas por fachada. Vou sentir saudade de todas elas e da galera popular também. :)

    Beijokas :*
    Blog da Mylloka

    ResponderExcluir
  24. Nossa. Não sei nem o que falar depois desse texto seu. Sinceramente... sei como é ser diferente e ser apontada por aí. Sofro disso sempre que saio de casa. Uma vez aconteceu comigo, em um shopping... mas foi a situação mais ridícula pela qual já passei. Um grupo de meninos sentados, olharam para a minha meia arrastão rasgada, coisa que gosto, que estava usando com um short. Resultado? Ficaram rindo e falando alto. Eu parei, olhei pra eles, e fui ao banheiro. Chorar? Nem pensar. Rasguei ainda mais a meia e passei perto deles. O que aconteceu? Bem... eles estranharam e me olharam com olhos esbugalhados. Enfim, chega de falar. Bom texto!
    Beijo.
    docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Adoro teus posts e tua maneira de pensar justamente por isso.
    É difícil encontrar alguém por aqui que seja verdadeiro mesmo, que fale o que é, o que pensa, e só fale. Só por ser, só por sentir.
    Também já passei por isso TANTAS vezes. Por coisas assim... Chorava, ficava triste, me rendia, tentava sumir. Mas e agora? Quem disse?

    E por isso, vivam os lobos! :)

    ResponderExcluir

Não gaste teclado: SE NÃO LEU, NÃO COMENTE. Também não tente me enganar: Eu percebo quando a pessoa não leu nada. (Aliás, tem gente que não lê nem isso aqui).