quinta-feira, 10 de junho de 2010

+ Quando você vai embora,



De repente toda mágica se acaba
E na nossa casinha apertada
Tá faltando graça e tá sobrando espaço
Tô sobrando num sobrado sem ventilador

Vai dizer que nossas preces não alcançaram o céu?
Coração, que ainda vem me perguntar o que aconteceu
Conta se seu rosto por acaso ainda tem o gosto meu!
E para te ver me faltam horas e minutos.

Bailarina, soldado de chumbo
Nossa casinha pequena
Parece vazia sem o teu balé
Sem teu café requentado
Soldado de chumbo volta, não fico de pé

É só 30 minutos, só 30 minutos sem você
Mas já tardaram 10 anos em meu pensamento,
Espero que o dia passe,
Que a semana acabe
Quero te ver de novo.

Não é culpa minha,
mas sem você tudo é tão vazio
Tão ruim quanto a chuva de inverno.
Soldado de chumbo, quero te ver de novo.


- Versão original : Teatro Mágico, editado por mim :)

7 comentários:

  1. Lembra-me do Livro “O Pequeno Príncipe”: Se o encontro foi marcado para as quatro horas, às três horas já estarei te esperando!
    Muito lindo o seu poema!
    Obrigado por lembrar-me de Renato Russo!
    Um grande abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu so queria 30 minutos sem o Felipe Melo, nem precisava ser o jogo inteiro.

    ResponderExcluir
  3. muito lindo o poema *-*
    saudade é uma das maiores provas de amor

    ResponderExcluir
  4. Aaah, que lindo. Gostei daqui.

    Beeejo :)

    ResponderExcluir
  5. Amo teatro mágico *-* Ficou muuito perfeito o seu post :D , e eu amo seu blog rs . beijinho :*

    ResponderExcluir
  6. Hoje, um amigo me disse por telefone que a Panini lançou um encarte com os 23 jogadores convocados por Dunga, além das figurinhas dos nove brasileiros que não estão no álbum original (Gomes, Doni, Gilberto, Thiago Silva, Michel Bastos, Kleberson, Ramires, Júlio Batista e Grafite). Ainda não sei se vou colecionar esse refugo. Preferia que ele tivesse me dito que Felipe Melo não está mais no álbum.

    ResponderExcluir

Não gaste teclado: SE NÃO LEU, NÃO COMENTE. Também não tente me enganar: Eu percebo quando a pessoa não leu nada. (Aliás, tem gente que não lê nem isso aqui).