domingo, 19 de janeiro de 2014

Xavier


Nesses constantes momentos acredito que sei como é estar morta. Vazia de sentimentos, nada me passa pela cabeça ou me faz crer que vivo. O quarto está escuro e o único som audível é da respiração de Marco. Como num impulso, eu fecho os olhos e tento sentir algo. Também como num impulso, eu quase ouço o som de um grande instrumento, mas precisamente, sinto meus dedos nas teclas de um piano, a qual eu conheço bem. Mas a sensação é momentânea, é imaginária. Preciso sentir que vivo, preciso escrever.
Me sento na cama e tateio o aparelho celular. O relógio me mostra 00:03hs, e o que eu penso em fazer parece errado. Ignoro o pensamento e ligo a lanterna do meu celular. Na gaveta do criado mudo eu encontro o caderno, e me dirijo ao armário em busca de uma caneta. Mas não qualquer caneta, a caneta preta de tinteiro, presente do meu pai.
As palavras pulam, da minha cabeça para a caneta, da caneta para o caderno. São as ultimas páginas de um romance, que nunca publicarei. Escrevi até as 2 da manhã, e por fim, terminei. Está feito.
A cama não me parecia atraente. Mas o cansaço me dominou e eu finalmente adormeci. E me encontrei com ele, mas uma vez.
Esse sonho eu conhecia quase que de cor. Era meu pai no salão do orfanato Xavier, em Alphaville, São Paulo. O piano estava atrás dele. Ele estava de camisa branca, tecido fino, uma calça jeans. Enquanto eu estava com um blusão de lã, uma calça confortável e uma botinha. Sempre que ele vinha a mim, estávamos da forma mais confortável possível; isso pra mim era bastante simbólico, já que eu sempre via meu pai de terno e gravata. Então eu o via e sem euforia, como se ele sempre estivesse lá, me esperando, ia até ele. Sentava ao seu lado no piano, e tocava pra ele. E quando eu terminava ele dizia: "Está na hora, Lili". E sorria. "Você sabe, você precisa estudar. Precisa andar com as suas pernas".
Ele me tirava o cabelo do rosto e então finalmente me abraçava. "Não se arrependa das suas escolhas", ele sussurrava. E assim meu sonho chegava ao fim.

10 comentários:

  1. Acho que sei bem como é sentir isso que descreve nas duas primeiras frase. Esse texto é seu ? Bem, se for, eu senti muito pesar nele, parece melancólico, mas gostei das palavras que usou e como usou.

    ʕ•ᴥ•ʔ

    ResponderExcluir
  2. Gosto do jeito que escreve.Só não entendi a parte do encontro com o pai, ele esta vivo, ela o imagina ou é só um sonho e não algo que aconteceu em algum momento com ela?

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do texto!!!!Queria ler mais!!!Vc tem talento,bjs

    ResponderExcluir
  4. Nossa estava com saudade dos seus textos mona... acabei de me lembrar que com a correria do casamento não vi o final da história do Jr com a Maitê... você terminou? Vou xeretar!! Vi que vc está lendo "Extraordinário", vc está gostando? Eu comprei, mas ainda não comecei!!

    Bjos Srt!!
    asbesteirasquemecontam.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Me encontrei um pouquinho nas inquietações, na sede das palavras, na cama que nunca me atrai (queria dormir num caderno).
    Gostei bastante, gostei bastante.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Que história incrível Mona, você tem muito talento para contista, sabia? Quero ver mais contos seus aqui no blog, esse me deixou arrepiada!


    Beijos =*

    ResponderExcluir
  7. Acho que de vez em quando todo mundo se sente meio morto, pensamentos mórbidos são resultado de uma alma machucada, lindo texto Mona

    ResponderExcluir

Não gaste teclado: SE NÃO LEU, NÃO COMENTE. Também não tente me enganar: Eu percebo quando a pessoa não leu nada. (Aliás, tem gente que não lê nem isso aqui).